quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Arrependimento mata?

   É estranho ter um dia perfeito e chegar ao seu final com uma péssima sensação?
   Desde pequena tenho muita dificuldade em decisões. Qualquer decisão.. desde a minha primeira refeição do dia, até qual pijama devo vestir. Isso acontece durante 24h do meu dia.
   Não é que eu não tenha opinião própria, eu tenho. Não é que eu mude pra me adaptar as circunstâncias. Eu não faço porque quero, não faço pra agradar, não faço pra me enturmar. Eu simplesmente passo a não gostar mais do que ontem eu amei.
   E a pergunta que eu me faço sempre é: minhas escolhas foram certas? Na vida, nos estudos, nas roupas que decidi usar, nas amizades que decidi fazer.. eu deveria ter dado mais atenção àquele garoto que mês passado me pediu ajuda pra entender o assunto melhor, ao invés de apenas respondê-lo com pressa ainda olhando pro papel? Eu deveria ter cortado no princípio aquela menina super eufórica que eu sabia que acabaria me chateando, ao invés de ouvi-la conversar por horas só pra não ser antipática? E, acho que a dúvida que mais me corrói. A profissão a qual estou estudando para exercer: é isso que eu quero?
  Eu gosto do meu curso, me dou bem com meus colegas, tenho projetos, ocupações realmente importantes. Mas quando chega a madrugada e eu tô vendo um filme, me pego pensando: porque eu não tô lá? Quando vejo um show de alguém, ou alguém apresentando um programa, e me lembro das diversas atuações que já fiz quando criança. Me vestia de palhaça, velha, noiva: o tempo inteiro.
  Não havia um só momento em que eu não sonhasse em ser estrela. Dançar, falar, atuar, escrever, tocar, cantar. Era isso que eu queria pra minha vida, e eu queria muito! Mas sabe, é como dizem por aí: "esse futuro é bem incerto..  é um em um milhão!". Então eu simplesmente sufoquei toda a arte que em mim gritava pra sair.
   Me pegava tocando violão, e sentindo culpa por não estar estudando as coisas que me trariam o futuro certo. E talvez, talvez eu devesse ter parado ali. Cortado essa culpa e simplesmente dito: "fodam-se as estatísticas, fodam-se todos que acham que esse futuro me levará ao fracasso, é isso que eu quero."
   Mas bem, hoje estou aqui, numa pausa de um projeto para apresentar amanhã, passando noites sem dormir, estudando para garantir um futuro "certo". Bem.. eu não estou odiando, de fato eu até gosto. Mas no fundo, bem lá dentro de mim, quando me deito na minha cama e somos só eu e os meus pensamentos, eu sei: não era isso que eu queria.

"Tudo indica que os aspectos mais importantes da manipulação de números estão relacionados com o hemisfério esquerdo do cérebro. Ou seja, você pode até não ser muito bom de matemática, mas a capacidade está lá. Os tais "manuais para desenhar com o lado direito do cérebro" se baseiam em pesquisas que indicam que as capacidades artísticas parecem estar relacionadas à metade direita. Claro, a coisa não é tão simples: se você for raciocinar sobre seu desenho, já está apelando para o lado esquerdo."


So...I chose the left brain.

AK

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

O que é Throwback Thursday?

Ao que me parece, a vida não muda.
O mundo dá voltas, sim, e acaba voltando pro mesmo lugar.

Quem me disser que vive a vida plenamente sem sentir a menor falta de qualquer coisa que já fez parte da sua vida, e que por algum motivo não faz mais, está mentindo. ISSO NÃO EXISTE! Você pode não querer pensar, ou preferir deixar pra lá, mas sua mente te traz o que já foi embora. E por alguns minutos te dá vontade de voltar a ser, a ter, a ver como era antes.
Assim como eu, que aqui estou escrevendo em um blog que me marca a época dos 15 anos, sinto falta de ser quem eu era. Mas isso não significa que eu queira voltar a ser. É apenas o mundo girando, e nos fazendo voltar àquele mesmo lugar, lembra?
Na moda, na música, na televisão.. "Vintage, retrô". O mundo tende a se repetir. Porque a saudade move o mundo, as pessoas associam diretamente os componentes de uma época, a uma felicidade que se sentiu e que não vai voltar a existir - não significa que você não é feliz, muito pelo contrário. As pessoas tendem a dar mais valor ao que não podem ter, e quanto àquele tempo que se passou, tê-lo de volta é definitivamente impossível, logo, ele parece muito mais perfeito: "eu era feliz e não sabia". Acorda amigo, daqui a 3 ou 4 anos você estará lembrando de hoje e pensando o mesmo. Pare de viver o passado e viva o presente, e quanto a inevitável saudade? Sinta-a, mas não deixe que ela tome conta de você.

"Não gosto de fazer ninguém querer riscar o seu passado
E o que passou, passou, e o que marcou, ficou" (Nando Reis)


AK

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A síndrome Do Contra

       
Como sempre.. na madrugada.
Como sempre.. sobre o que me irrita.

Tem um certo tipo de personalidade que me intriga: a sua. Conte-me mais sobre como é ter que discordar o tempo inteiro do que a maioria das pessoas pensam, tentar exibir toda a sua diferença da massa, tentando induzir aos outros a pensar como você... engraçado que não compreendo essa teoria, sério! Se a boiada vai pra um lado, eu não me sinto na obrigação de ir também, mas diferente de você também não me sinto obrigada a seguir a direção contrária.

Para alguém que defende tão em a si mesma, e ao direito de escolha, você não acha que passa tempo demais criticando os seus diferentes não? Olha, não se preocupa.. nem é só você que sofre desse disturbio Do Contra mesmo - não fica com raiva tá?

Só tenta me ouvir, sei que você - e todos os docontrinhas do mundo - estão aí afiadíssimos prontos para a revolução, e eu respeito e até acho uma boa, mas peeeeelo amor de Deus, pensa um pouquinho antes de despejar tudo de uma só vez, pra não acabar falando babaquice demais e afastar quem está por perto. 



AK

terça-feira, 8 de novembro de 2011

please.. leave me alone

O que dizer quando não se tem nada planejado? O que vier a mente, ou o que é conveniente? Sempre fico intrigada com essa questão de ser sincera ou conveniente, afinal, é quase impossível conciliar ambos.
Acontece que eu já estou cansada de procurar o melhor, o certo, o que vai agradar. Eu estou cansada de fazer o que quero e sentir olhares tortos pra mim e ouvir os outros dizendo 'você deveria ter feito o que te falei'. Estou cansada de fazer o que os outros querem e sentir aquele olhar torto através do espelho, e aquela voz me falar 'você deveria ter feito o que queria.'
Faz tempo que não escrevo portanto tenho milhares de coisas entaladas que não conseguiam sair de maneira alguma, mas acho que agora vai sair, porque tá tarde, porque já ri demais, porque estou ouvindo músicas que me inspiram, porque já estou no limite de qualquer coisa. Nada mais passa, nada mais me desce.
Cansei da hipocrisia, e digo que cansei porque não é pouca! Alguém que fala até do sinal que apareceu no peito do pé da menina que acabou de passar na rua, vir dar surtos porque falaram algo que não lhe agradou, alguém que ama a todos e diz não amar ninguém, alguém que não importa-se com mais ninguém além de si, e finge importar-se com os outros além de si mesmo. Ou até mesmo alguém que errou, pelo simples fato de não pensar duas vezes antes de fazer algo, e julgou alguém por ter errado sem saber como ocorreram tais fatos.
Estou engasgada de babaquice, juro, estou cheia mesmo!
O que eu mais queria? Olhar em minha volta e ver pessoas repleta de felicidade - verdadeira, por favor - preocupando-se uns com os outros na medida certa, pessoas que deixassem suas dificuldades pra trás, ou partilhasse-as com quem pudesse aguentar.
Já não suporto falsas emoções, falsas chateações e falsas felicitações.
Se gosta de mim, cumprimente-me, não custa nada falar com alguém que você gosta. Se não gosta, me faça a gentileza de não falar comigo. Pode dar bom dia, mas não precisa me abraçar.
Se tem uma coisa que me dá nos nervos é o tal do abraço falso. Aprenda, se seu abraço não é verdadeiro, quem recebê-lo VAI perceber, então nem se dê ao trabalho.
Eu nem tenho muito o que pedir, só paz. Sinceridade, por favor, é o que eu preciso.

Não preciso da sua falsa gentileza, do seu sorriso forçado, nem das suas perguntas vazias sem pretensão de resposta. Leave me alone.


AK

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Por fora amargo, por dentro um doce

Dentre todos os amores e desamores, no recorde deles você está. Juro.
A maior realização, foi você, e a maior decepção foi você. E ainda é. Todos os dias um ciclo que se repete: amor, e raiva. E falo com orações curtas, pois é assim que somos. De poucas orações.

Engraçado é que como uma caveira mexicana, para multidões você transmite uma má impressão, mas pra quem sabe enxergar, há toda a doçura do mundo!

Não te amo, nem confio em você. Nem falo a verdade toda hora.



AK

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Sem exceções

"Na vida tudo passa. Tudo!" - Já dizia alguém em quem eu muito confiava.
Nós temos problemas - grandes ou pequenos - e achamos que morreremos por isso. Assim como achamos que algumas alegrias nunca irão acabar, e pessoas queridas nunca irão nos deixar. Mas aí vem essa droga de regra universal, e tudo se vai. Deixando dores ou curas, mas se vai.
Alguém que você amou. Você gastou toda a sua energia amando-a. Comprou presentes, mandou mensagens, sentiu ciúmes, falou, ouviu. Amou. Acredite, esta pessoa está inclusa na lei universal, e em um dia onde tudo parece bem, esta pessoa vai chegar, mansa como sempre, porém fria como nunca, e te dirá: acabou.
E é isso por fim. Ali parada sem um discurso pronto, você foi pega de surpresa. E você ouvirá tudo, e engolirá seco. Acabou. E chegou a hora de ela passar, como todas as outras coisas que passaram.
Vou juntar fotos de tudo que já passou pela minha vida, e me marcou de alguma forma, e escreverei na parede do meu quarto, em letras garrafais "Tudo passa, tudo!". Então não há o que discutir.
Não adianta fazer greve de fome, de sono, bater o pé, discutir, ir contra o mundo. Não tô falando pra não lutar, se você quer, lute. Só não acho que valha a pena. Porque no fim das contas "tudo passa, bom ou ruim."




AK

quarta-feira, 23 de março de 2011

Ótima idéia, péssimo ideal


Ninguém sabe o que quer da vida. Ninguém sabe o que quer do dia, na verdade.
Você pensa que sabe, acha que sabe exatamente o que quer, o que vai dizer e fazer. Mas basta uma pessoa passar na sua frente e então todo seu planejamento saiu do ritmo, e você agora terá que improvisar seu dia, o que você iria fazer de qualquer forma, porque você não sabia de verdade o que você queria.
Quer saber por que sou adepta do pessimismo? Sou e falo em alto e bom som, porque sei que não tenho nada a perder, eu odeio ilusões.
Juro, eu odeio ilusões. Odeio pensar que tudo vai dar certo e dá errado, eu odeio quem nasce e acha que vai crescer e encontrar um lindo homem num cavalo branco que vai salvar a sua vida, mas não quer correr riscos pra ser salva. O homem dos sonhos é sempre lindo, valente, inteligente, e amado por todos. A vida é sempre longa, com poucos defeitos só para que venha uma recompensa triplicada do que aconteceu. Pra todos a vida vai ser mágica, não precisaremos nos preocupar com notas, bom comportamento, boa reputação, logo ao chegar na maioridade não iremos ter responsabilidades, nem iremos ter que pagar nossas contas. Pra quê imaginar tudo isso se é mais fácil achar que a vida vai ser tranquila e sem defeitos? Pra quê sofrer por antecedência, não é verdade? Discordo.
Eu sofro por antecedência sim, eu espero o pior sim, assim, não sou surpreendida pelo destino, e quando sou, sou para melhor. Eu estou sempre preparada para o pior, sempre.
Então sim, eu gosto do pessimismo, e não acho que ele atraia o mal não. O mal está sempre lá, assim como o bem, e eu pensar de um modo diferente não vai mudar nisso. O que pode mudar é o esforço que eu tenha em determinada coisa, isso sim pode mudar algo, mas o pensamento não. O pensamento é algo que guardamos pra si, e sempre fantasiamos o melhor nele, depositamos todas as esperanças nele, então vem a realidade e destrói tudo.
Isso não é fácil.

"Não me venha com essa história de atraiçoamos-todos-os-nossos-ideais, nunca tive porra de ideal nenhum, só queria era salvar a minha." Caio Fernando Abreu


AK